A histórica manifestação popular de 1932 em Rio Negro

Manifestações populares sempre fizeram parte da história do Brasil. Em Rio Negro, assim como em diversas cidades do país, houve manifestação no último dia 7 de setembro, além de outras realizadas ao longo dos últimos anos. A história nos revela uma manifestação que teve grande importância para a cidade no século XX.

No dia 12 de junho de 1863 foi instalada a primeira Agência Postal de Rio Negro-PR. O primeiro agente foi o Sr. Zeferino José do Rozario, que foi nomeado por Decreto do Presidente da Província. A agência havia sido criada no dia 7 de abril de 1863 pelo Governo Imperial.

Até meados de 1930 a agência funcionou na Rua XV de Novembro. A partir de 1945, aproximadamente, ela funcionou na esquina da Praça João Pessoa (onde atualmente há o calçadão). Mais tarde ganhou um prédio próprio na Praça Max Wolf.

Mas foi em 1932 que a possível mudança de endereço da agência foi motivo de protesto em Rio Negro. Naquele ano o Governo pretendia reunir numa só agência os serviços postais de Rio Negro e Mafra-SC. A nova agência ficaria em Mafra.

Houve manifestação popular para que a agência de Rio Negro continuasse funcionando. E deu resultado, pois a agência continua funcionando na cidade até hoje. E Mafra também possui sua agência atualmente, criada em 15 de outubro de 1935.

Na “Revista Comemorativa do Cinquentenário do Município de Mafra” de Napoleão Dequech há o relato:

Nossa querida amiga professora Nazira Gemael, participante do movimento para impedir a saída da Agência dos Correios de Rio Negro, nos relata o seguinte: Pela manhã do dia determinado para dar-se a mudança, ela, no Grupo Escolar, inconformada, relatou o que estava por acontecer no período da tarde daquele dia. Então convocou suas colegas para fazerem uma demonstração de protesto em frente à Agência dos Correios. Assim procederam, porém o número de pessoas presentes era insuficiente para causar impacto. Não se intimidaram, ela e Dona Ivone Ferreira sua amiga e também professora, subiram na torre da Igreja Matriz, e com dificuldade, conseguiram bater em ritmo de chamada, os sinos da igreja. Em seguida receberam ajuda de meninos acostumados a esse trabalho. Aos poucos a Rua XV estava lotada, todos aderindo a causa de impedir a saída da nossa Agência dos Correios. O funcionário chegado de Curitiba com o trem, encarregado de proceder a transferência, ao deparar com a manifestação, nada fez, retornando a Curitiba no próximo trem, dentro da mesma hora. Estava salvo o nosso Correio.

Atual prédio dos Correios de Rio Negro (Foto: Prefeitura de Rio Negro)

  1. Imagem de perfil Carmen Raquel Paluch

    Não tinha conhecimento dessa passagem….muito bom…. parabéns pela matéria 👏👏👏

Deixe o seu comentário